O guardar da recordação...

Chegavas perto de mim e sussurravas-me ao ouvido, com a tua voz, com o toque na pele que tanta falta me faz, que tanta saudade faz permanecer em mim. O coração disparava de uma forma inexplicável, tão verdadeira e ao mesmo tempo tão real, tão sentida em cada poro da pele, em cada gesto de uma cumplicidade que era bem mais do que os olhos viam, era o que o coração sentia. Parti e tu da mesma forma partiste também, despedimo-nos de tudo e despimo-nos de um passado que tantas histórias tinham, que tantos episódios foram vividos. O coração parecia ferido, como um pássaro livre que se tinha esquecido de voar, os sonhos desfizeram-se e a vontade de lutar parecia tão insignificante que o corpo já nem obedecia ao que o coração implorava. Os tempos passaram, felizmente, e a vontade de erguer-me foi bem maior do que a de desistir, assim, mesmo com o coração ferido, voltei a caminhar, a fazer da vida aquilo que queria que ela fosse, verdadeira mas acima de tudo vivida por sentimentos e não por razões. Apaixonei-me, amei e desisti de novo porque sempre me disseram que as coisas surgem naturalmente e não são construídas sobre um período de tempo reduzido em que a necessidade de amar é maior que o sentimento em si, que parece que tudo é tão construído que nem sequer dá para sentir as emoções de um primeiro abraço, de um primeiro beijo. Esqueci-me do que magoas me causava, voltei a sorrir porque a vida, apesar de tudo, nunca se esqueceu daqueles que sabem amar e não representar esse mesmo sentimento, fui feliz à minha maneira e hoje sou feliz à nossa, lutei por tudo e o destino acabou por me cruzar noutro destino, por tecer uma história que nunca imaginaria existir, nunca pensei em viver. As oportunidades são apenas isso, pequenas fracções de um tempo que voa a cada dia, que tem o dom de poder despertar amores e de viver despedidas, de cruzar pessoas e de afastar destinos. Hoje vejo o que perdi, o que ganhei, o que vivi e o que apenas foi mais um sonho que permanece na utopia dos dias passados, das histórias que nunca chegaram a o ser. O amor é bem mais complexo do que uma cumplicidade ardente, é bem mais fácil do que um despedir forçado, é bem mais natural do que um beijo encenado, é bem mais sentido do que um abraço apertado, é bem mais do que um sorriso rasgado, o amor é aquilo que nos une, o amor é aquilo que nos faz amar alguém de uma forma incondicional, de uma forma que não se explica, apenas sente-se...

Comentários

  1. ainda existem rapazes sentimentalistas

    ResponderEliminar
  2. Estou sem palavras... Buscando textos, autores, expandir meus horizontes que encontrei seu blog.
    Gostei do que vi, gostei da autenticidade dos seus textos: Parabéns!!
    Encontrei um outro universo de palavras que me deixou mais fascinado por este outro lado da escrita que ainda não cheguei, mas que pretendo! O lado sútil e elegante, o lado apaixonante e apaixonado, o lado sublime onde o texto transmite a quem ler exatamente o que era para ser mostrado. O texto falando por ele mesmo toda a sua "essência" toda a sua magnificência ao mesmo tempo da simplicidade e da seriedade destas palavras. Incrível esta união: é harmoniosa! Ao ler... Ao ouvir o que estou lendo canto o amor às palavras a mim entrelaçado, a todos nós pelo visto! rs'

    Abraço, Wesley Carlos.
    * http://wscarlos.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. é mesmo. a verdade é realmente muito importante, e tento mantê-la sempre por perto. *
    também gostei, sigo (:

    ResponderEliminar
  4. Olá Pedacinho de André,

    Penso ser este o seu nome. Vi escrito num comentário.
    Se não for as minhas desculpas. Se for, é um nome sonante, tocante, fino, requintado e até padroeiro da Roménia.
    Li o seu texto e... não tenho adjectivos. Restam-me exclamativas.
    Não faça planos no amor, como aconselha a giríssima imagem, bem cool, por sinal, que colocou junto ao texto. Há tantas Marias na terra de A a Z.
    Recordações para quê? Deixe-as para a História, para a sua história, que é já rica, de amores e desamores.
    Aquela cena, parece-me ser passada num comboio.
    Lembra-me alguimas imagens do filme Casablanca.
    Mantenha esse bom gosto e um certo desprendimento das "coisas".
    Dá-lhe charme e incita.

    TENHA UM EXCELENTE DIA, MESMO CINZENTO, COMO HOJE ESTÁ.

    Beijos de muita luz para passionarmos o cinzento e tornámo-lo vermelho.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário